Espíritismo kardecista




ATENÇÃO !
RESPEITAMOS A DOUTRINA ESPÍRITA.
PEDIMOS DESCULPAS CASO UM IRMÃO ESPÍRITA SEJA OFENDIDO
.

Joel Alexandre, um religioso, pesquisador, faz uma comparação dos ensinamentos espíritas e a Bíblia.

Pedimos aos irmãos antes que , se armem de ataques, que leiam com carinho e meditação.

(Fp 1.16) - por Joel Alexandre
Publicado por - www.arcanjomiguel.net

E:ESPIRITISMO  - DE:DEFESA DO EVANGELHO por Joel Alexandre :


I - RESUMO HISTÓRICO DO ESPIRITISMO

O que hoje se chama espiritismo era conhecido na Antiguidade como necromancia (1Sm 28.3,7-9; Is 19.3; 29.4). (26)
Por volta de 1848, a atenção foi chamada, nos Estados Unidos da América, sobre diversos fenômenos estranhos, consistentes em ruídos, pancadas e movimentos de objetos sem causa conhecida. Notou-se que eles se produziam mais particularmente sob a influência de certas pessoas, que se designou com o nome de médiuns,
Não tardou a se reconhecer, nesses fenômenos, efeitos inteligentes, como movimentos para uma direção estabelecida e números de pancadas pedidos. Para se estabelecer a natureza dessa inteligência, entrou-se em conversação por meio de um número de golpes convencionado significando sim ou não, ou designando letras do alfabeto. Desse modo declararam ser espíritos e pertencerem a um mundo invisível. Da América, esse fenômeno passou para a França e ao resto da Europa.
As comunicações por pancadas eram lentas e incompletas. Mais tarde, experiências demonstraram que o espírito agia sobre o braço ou a mão a fim de conduzir um lápis. Teve-se então os médiuns escreventes. Segundo a doutrina do espiritismo, os espíritos ainda podem se manifestar de várias maneiras, entre outras pela audição (médiuns audientes) e pela visão (médiuns videntes). (2)
Na França, o ex-professor Hippolyte León Denizard Rivail tomou o pseudônimo de Allan Kardec, porque acreditava ser a reencarnação de um poeta celta que em vida tivera esse nome (5). Kardec começou a fazer perguntas aos chamados Espíritos Superiores, através de vários médiuns. Compilou e coordenou todas as perguntas e respostas. Surgiu, então, o Livro dos Espíritos, dando origem ao Espiritismo Kardecista, em 18 de abril de 1857. (12)
Logo ele viajou para vários países com o objetivo de propagar sua doutrina. Destacou-se por introduzir no espiritismo a idéia da reencarnação. Dotado de grande capacidade física e mental, foi o codificador da doutrina. (5)
No Brasil, o kardecismo começou em Salvador, Bahia, em setembro de 1865. Aqui, seu maior representante é a Federação Espírita Brasileira (FEB), fundada em 1884, sediada em São Paulo. O Brasil é considerado a pátria do kardecismo, contando com quase 8 milhões de adeptos (segundo dados da FEB), sendo Francisco Cândido Xavier (o Chico Xavier) sua figura mais destacada. (12)
Número de adeptos em milhares (e a porcentagem do total dos adeptos) — 1999): (23)
Ásia: 0 (0%);
África: 3 (0,025%);
Oceania: 7 (0,057%);
Europa: 131 (1,075%);
América: 11.998 (98,47%).
(Fonte: Enciclopédia Britânica)



II - PRINCIPAIS DOUTRINAS DO ESPIRITISMO ()
E A DEFESA DO EVANGELHO (DE)

1. REENCARNAÇÃO


ESPIRITISMO “166. Como pode a alma, que não alcançou a perfeição durante a vida corpórea, acabar de depurar-se? ‘Sofrendo a prova de uma nova existência’.
167. Qual o fim objetivado com a reencarnação? ‘Expiação, melhoramento progressivo da Humanidade. Sem isto, onde a justiça?’.
170. O que fica sendo o Espírito depois da sua última encarnação? ‘Espírito bem-aventurado; puro Espírito’.” (1)
“A reencarnação fazia parte dos dogmas dos judeus, sob o nome de ressurreição [Cap. IV – Nascer de Novo; §4; p.84]”. (3)
“A idéia de que João Batista era Elias e de que os profetas podiam reviver na Terra se nos depara em muitas passagens dos Evangelhos (Mt 16.13-17; Mc 8.27-30; 6.14-16; Lc 9.7-9; Mt 17.10-13; Mc 9.11-13) [Cap. IV – Nascer de Novo; §6; p.85].” (3)

DEFESA DO EVANGELHO:  A Bíblia ensina que há somente uma oportunidade de salvação e esta é enquanto temos esta vida (Is 55.6,7; 2Co 6.2). Depois da morte segue-se o juízo (Hb 9.27) e o estado final depois da morte é irreversível (Lc 16.19-31; Mt 25.34,41,46). (18)
Quando Jesus prega que devemos nascer de novo (Jo 3.3), ele esclarece mais adiante que é nascer da água e do espírito (Jo 3.5), referindo-se à regeneração, que é a mudança das disposições íntimas da alma dentro do mesmo corpo (Jo 1.12,13; 2Co 5.17). O poder regenerador da Palavra é atestado pelos discípulos (Tg 1.18; 1Pe 1.23). A correspondência da água e do Espírito com a Palavra de Deus e o Espírito de Deus está bem claro no livro de Ezequiel (Ez 36.25,27). Era isso que o Filho de Deus estava querendo dizer para Nicodemos.(26)
João Batista não podia ser Elias reencarnado, tendo em vista que:
a) Elias não morreu, mas foi trasladado aos céus em corpo (2Rs 2.1,11);(18)
b) João Batista, enfaticamente, disse que não era Elias (Jo 1.21);
c) se João Batista fosse a reencarnação de Elias, no momento da transfiguração de Cristo teriam aparecido Moisés e João Batista, e não Moisés e Elias (Mt 17.3), visto que João Batista já havia morrido (Mt 14.10). (15)
Quando Jesus disse que João Batista era o Elias que havia de vir (Mt 11.14; 17.12,13) referia-se à semelhança do ministério:
a) eram profetas (1Rs 17.1 e Mt 3.1);
b) enfrentaram grandes governantes (1Rs 18.17,18 e Mt 14.3,4);
c) foram perseguidos por mulheres (1Rs 19.2,3 e Mt 14.6-8).
João Batista era um Elias no sentido profético (Mt 17.2; Mc 9.12; Lc 1.17).
Se a reencarnação visa o desenvolvimento espiritual do ser humano, como explicar o contínuo crescimento da violência? (18)
Para alguém ter o perdão de Deus é necessário o arrependimento, e não outra encarnação (Lc 13.3; At 3.19). O ladrão na cruz arrependeu-se dos seus erros e recebeu de Jesus a mais rica promessa de perdão absoluto e total expiação sem necessidade de outra encarnação (Lc 23.39-43). O ladrão arrependido tinha plena consciência dos erros cometidos na sua vida presente, e com consciência deles podia arrepender-se. Não entendemos como o espírita possa atingir a condição de espírito puro, mesmo admitindo-se milhares de encarnações. É que em cada uma delas o espírita se esquece fatalmente das ocorrências da vida anterior.
A purificação do espírito depois da morte é um grande incentivo ao pecado. Por mais horrendo que sejam os crimes cometidos durante a existência atual, e embora o criminoso morra sem arrependimento, o espiritismo afiança que haverá expiação nas sucessivas encarnações, só que acaba perdido eternamente, por rejeitar, soberbamente o remédio eficaz providenciado por Deus: Jesus Cristo (1Jo 2.1,2; Hb 9.13; 10.12; Jo 8.2). Não há por que inventar uma dívida, sendo que o débito que já foi bem pago por Jesus na cruz (Ef 1.7).
Além disso, se a reencarnação realmente existisse incorreria em faltas gravíssimas:
a) os seres humanos estariam sofrendo castigos por faltas que não têm consciência ou lembrança. Onde está a justiça?;
b) de uma reencarnação para outra há um esquecimento total das experiências adquiridas, não havendo, portanto, como se tirar proveito delas;
c) os malfeitores tornam-se, então, executores de ordem divina, e não devem ser responsabilizados pelos crimes que cometeram, pois aqueles que sofrem a ação desses crimes estão pagando dívidas contraídas no passado;
d) se alguém tentar aliviar o sofrimento de outra pessoa, estaria impedindo que ela pague o que deve, impedindo o seu progresso espiritual;
e) essa doutrina pode destruir os sentimentos e os laços mais sagrados que unem a família, tendo em vista as mudanças de sexo e as inversões de graus de parentesco.(26)


2. COMUNICAÇÃO COM OS MORTOS

ESPIRITISMO: “O Espiritismo é ao mesmo tempo uma ciência de observação e uma doutrina filosófica. Como ciência prática, ele consiste nas relações que se podem estabelecer com os Espíritos; como filosofica, ele compreende todas as conseqüências morais que decorrem dessas relações.” [Preâmbulo; p.12] (2)
“O Espiritismo se reduz a uma só questão principal: as comunicações entre as almas e os vivos são possíveis? Essa possibilidade é um resultado da experiência” [Cap. II – Noções Elementares de Espiritismo; p.117] (2)


DEFESA DO EVANGELHO: A pretensão espírita de comunicvar-se com os mortos é condenada nas Sagradas Escrituras (Dt 18.10,11; Is 8.19; Lc 16.31). O testemunho das Escrituras é que os mortos, devido ao estado em que se encontram, não têm parte em nada do que se faz e acontece na Terra (Ec 9.5,6; Sl 88.10-12; Is 38.18,19; Jó 7.9,10; 1Tm 4.1). (15)
A conseqüência da consulta de Saul com a necromante de En-Dor (1Sm 28) foi a morte (1Cr 10.13,14), além do que, podemos destacar algumas considerações sobre aquela sessão espírita:
a) Deus não respondia a Saul de maneira nenhuma (1Sm 28.6). Foi como se Saul dissesse: “Se Deus não me responde, então o diabo vai responder (v.7);
b) o rei Saul não viu o pretenso Samuel (v.13);
c) Saul deduziu que era Samuel (v.14);
d) Samuel foi um homem santo durante a sua vida. Ele não iria prestar-se a obedecer a pitonisa, uma mulher abominável, depois de já morto, cometendo um ato tão claramente proibido por Deus (Ex 22.18; Lv 19.31; 20.27; Dt 18.9-12; Is 47.13). (18)
e) a profecia do falso Samuel (v.19) não se cumpriu na íntegra:
i- Saul não foi entregue nas mãos dos filisteus, ele se suicidou (1Sm 31.4) e seu corpo foi recolhido pelos moradores de Jabes-Gileade (1Sm 31.11-13);
ii- também não morreram todos os filhos de Saul (vv.15,16), e sim, apenas três dos seus seis filhos (1Sm 31.6,8; 2Sm 21.8). Isso contraria o testemunho de Deus a respeito de Samuel (1Sm 3.19).(6) E a guerra entre Saul e os filisteus já era iminente (1Sm 15).(15)
Devemos ter sempre em mente que Satanás é o pai da mentira (Jo 8.44); sabe imitar a realidade com os seus embustes (Ex 7.22; 8.7); transforma-se em anjo de luz (2Co 11.14); tem poder de operar milagres (2Ts 2.9). Na realidade, os pretensos espíritos de mortos são espíritos enganadores, demônios, que têm como objetivo fazer com que os cristãos apostatem da sua fé dando ouvidos a eles (1Tm 4.1).(15) Devemos agir como Davi por ocasião da morte do seu filho (2Sm 12.15-23).(26)


3. A IDENTIDADE DOS ESPÍRITOS

ESPIRITISMO: “Uma vez que se encontram entre os Espíritos todos os defeitos da Humanidade, aí se encontram também a astúcia e a mentira; (…). É preciso, pois, abster-se de crer, de uma maneira absoluta, na auteticidade de todas as assinaturas. A identidade é uma das grandes dificuldades do Espiritismo prático; freqüentemente, ela é impossível de se constatar, sobretudo quando se trata de Espíritos superiores, antigos em relação a nós [Cap. II–Noções Elementares de Espiritismo; Identidade dos Espíritos].” (2)
“A questão da identidade dos Espíritos é uma das mais controvertidas, mesmo entre os adeptos do Espiritismo; sabe-se com que facilidade certos deles tomam nomes emprestados; em muitos casos, a identidade absoluta é uma questão secundária e sem importância real [Cap.XXIV – Identidade dos Espíritos; §255; p.294].” (13)
“Não ocorre o mesmo com a distinção dos bons e dos maus espíritos; sua individualidade pode nos ser indiferente, sua qualidade não o será jamais [Idem; §262; p.299].” (13)
“Julgam-se os Espíritos pela sua linguagem. (…). A bondade e a benevolência são ainda atributos essenciais dos Espíritos depurados [Idem; §§263,264; p.300].” (13)

DEFESA DO EVANGELHO: Estranhamente, Allan Kardec, se propôs a elaborar suas doutrinas com base nos ensinamentos de espíritos que ele nem sabia o que ou quem eram realmente. Os supostos espíritos de mortos não podem ser os mortos humanos, pois a Escritura nos diz que os mortos não salvos são confinados e incapazes de alcançar os vivos, e os mortos salvos estão com Cristo (2Pe 2.9; Lc 16.19-31; 2Co 5.8; Fp 1.23). (18)
Como já sabemos, Satanás é o pai da mentira (Jo 8.44), sabe imitar a realidade com os seus embustes (Ex 7.22; 8.7), transforma-se em anjo de luz (2Co 11.14) e tem poder de operar milagres (2Ts 2.9).
Desde que lançado fora do Céu, com os seus anjos, o principal objetivo de sua existência tem sido enganar, seduzir, impelir os homens para a ruína, e opor-se a toda verdade com respeito a sua própria natureza e à natureza de Deus. Os demônios, nas sessões espíritas, mostram-se impostores porque declaram falsa identidade, declinando, inclusive, sinais particulares, como segredos familiares. Dizem as Escrituras que Satanás e seus espíritos malignos agem com todo o poder, e sinais, e prodígios de mentira (2Ts 2.9; Mt 24.24; Ap 13.13).


4. MANIFESTAÇÃO DOS ESPÍRITOS POR MÉDIUNS



ESPIRITISMO “Ele se manifestam por intermédio de pessoas dotadas de uma aptidão especial para cada gênero de manifestação, e que se distinguem sob o nome de médiuns. É assim que, se distinguem os médiuns videntes, falantes, audientes, sensitivos, de efeitos físicos, desenhistas, tiptólogos, escreventes, etc. [Resumo da Lei dos Fenômenos Espíritas; Cap. II – Manifestação dos Espíritos; p.211; §10].” (2)
“O médium não possui senão a faculdade de se comunicar; a comunicação efetiva depende da vontade dos Espíritos. Se os Espíritos não querem se manifestar, o médium nada obtém; é como um instrumento sem músico [Idem; Cap III – Dos Médiuns; §33; p.220].” (2)

DEFESA DO EVANGELHO: A primeira incidência bíblica de mediunidade foi lá no Jardim do Éden, quando a serpente foi usada para enganar Eva (Gn 3.1-5; 2Co 11.3; Ap 12.9). Através daquela médium, o diabo levou o homem a duvidar de Deus, com graves conseqüências para a humanidade. Significativamente, há razões importantes para crer que a realidade básica da mediunidade jamais se alterou no que se refere:
a) à origem (o diabo e seus demônios);
b) ao seu resultado (ilusão espiritual que destrói a confiança em Deus);
c) às suas conseqüências (juízo divino – Gn 3.13-19; Dt 18.9-13).
Essa canalização é pois, condenada pela Bíblia como uma prática maligna diante de Deus, po envolver contato com demônios. (16)
Paulo expulsou, em nome de Jesus Cristo, um espírito de adivinhação que se manifestava em uma jovem médium (At 16.16-18).


5. O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO

ESPIRITISMO: “Muitos pontos dos Evangelhos, da Bíblia e dos autores sacros em geral só são ininteligíveis, parecendo alguns até irracionais, por falta da chave que faculte se lhes apreenda o verdadeiro sentido. Essa chave está completa no Espiritismo (…).
Como complemento de cada preceito, acrescentamos algumas instruções escolhidas, dentre as que os Espíritos ditaram em vários países e por diferentes médiuns.(…).
As instruções que promanam dos Espíritos são verdadeiramente as vozes do céu que vêm esclarecer os homens e convidá-los à prática do Evangelho [Introdução; I–Objetivo Desta Obra;pp.27,28].” (3)

DEFESA DO EVANGELHO:Quaisquer ensinos, doutrinas ou idéias que, originados em pessoas, espíritos, ou ciência, e que não estejam expressos ou subentendidos na Palavra de Deus, não podem ser aceitos. Assim ocorre com vários ensinos, decorrentes da interpretação desse evangelho, tais como: pluralidade de mundos habitados; reencarnação; causas anteriores das aflições; o Consolador é o kardecismo; salvação pela caridade; mediunidade; prece pelos mortos; entre outros falsos ensinos (1Tm 4.1; 1Jo 4.1; Gl 1.6-9; 2Co 11.13-15; At 13.10; Mt 24.24; Ap 16.14).
Nenhum ensinamento, nem doutrina devem ser aceitos como verdadeiros somente por causa das aparências, do sucesso, ou de prodígios (2Ts 2.8-10; Ap 18.23).(8)
O alvo dos espíritos é transmitir falsos ensinamentos, cujas conseqüências somente são percebidas tarde demais ou compreendidas com horror apenas após a morte (Pv 16.25; Jo 8.24,44; 1Jo 4.1; Ap 16.14). É por isso que a Bíblia nos adverte a ficarmos alertas (1Pe 5.8; 2Co 4.4). (16)


6. A GRAÇA NÃO É UM FAVOR DE DEUS

ESPIRITISMO: “(…) se é um dom, carece de mérito para aquele que a possui. O Espiritismo é mais explícito, dizendo que aquele que possui a virtude a adquiriu por seus esforços, em existências sucessivas, despojando-se pouco a pouco de suas imperfeições. A graça é a força que Deus faculta ao homem de boa vontade para se expungir do mal e praticar o bem [Introdução; §IV; item XVII; p.50].” (3)

DEFESA DO EVANGELHO: Deus não nos salva com base em quaisquer méritos pessoais nossos, mas unicamente por sua graça (Rm 3.23,24). As obras não salvam, nem ajudam ninguém a salvar-se (Ef 2.8,9).


7. FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO

ESPIRITISMO: “Não podendo amar a Deus sem praticar a caridade para com o próximo, todos os deveres do homem se resumem nesta máxima: FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO [Cap. XV – Fora da Caridade não há Salvação; §5; p.248]. (3)

DEFESA DO EVANGELHO: A Bíblia enfatiza que a salvação é pela graça, por meio da fé em Jesus, e não por obras realizadas pelas mãos humanas (Ef 2.8,9; Tt 3.5; 2Tm 1.9; Gl 2.16; Rm 3.27,28; 4.5; 11.6)


8. AUTO-SALVAÇÃO

ESPIRITISMO: “O Espírito culpado e infeliz pode sempre salvar-se a si mesmo: a lei de Deus estabelece a condição em que se lhe torna possível fazê-lo. O que as mais das vezes lhe falta é a vontade, a força, a coragem [Cap. XXVII – Pedi e Obtereis; §21; p.380].(18)

DEFESA DO EVANGELHO: Jesus Cristo é o nosso Salvador (Ef 5.23; Lc 2.11; 19.10; Jo 3.17; At 5.31; 13.23; 1Tm 1.15; 2Tm 1.10) e a salvação vem exclusivamente por Ele (At 4.12; Is 45.21). Sem Jesus, nada poderíamos fazer (Rm 3.23,24; Sl 103.14; 141.7; Is 64.6; 1Pe 1.24).(10)


9. O ESPIRITISMO É O CONSOLADOR PROMETIDO

ESPIRITISMO: “Jesus promete outro consolador: o Espírito de Verdade. O Espiritismo vem na época predita, cumprir a promessa do Cristo: preside ao seu advento, o Espírito de Verdade. O Espiritismo vem abrir os olhos e os ouvidos, porquanto fala sem figuras, nem alegorias; levanta o véu intencionalmente lançado sobre certos mistérios [Cap.VI – O Cristo Consolador; §4; p.128].” (3)

DEFESA DO EVANGELHO:Jesus esclarece no mesmo capítulo da sua promessa, que o Consolador prometido é o Espírito Santo (Jo 14.26 – comparar com Jo 14.16 [outro] com 1Jo 2.1, onde Jesus é um Consolador e o Espírito Santo é o outro Consolador ), e a promessa se cumpriu no dia de Pentecostes (At 1.4,8; 2.1-5,33) vindo a revestir os discípulos de poder para testemunharem o evangelho (At 1.8), no primeiro século, em Jerusalém, apenas alguns dias após a ascensão de Jesus e não somente no século XIX, na França, como quer Allan Kardec. Hoje o Consolador permanece habitando entre nós (Rm 8.9; 1Co 3.16; 6.19; 2Co 6.16; 2Tm 1.14). (9)
O Consolador prometido era alguém como Jesus, possuidor da mesma natureza divina, que iria ficar no lugar dele (Jo 14.16-18). (18)
O Espírito Santo não é uma falange de espíritos superiores, mas um ser pessoal, a Terceira Pessoa da Santíssima Trindade. Quanto a isso o Novo Testamento não deixa dúvidas (At 5.3,4). Como parte integrante da Trindade, Ele possui todos os atributos próprios da Divindade: é onipotente (Jó 26.13; 33.4; Rm 15.13,19); onisciente (1Co 2.10,11; Ez 11.5); é onipresente (Sl 139.7-10; Jo 14.17); e eterno (Hb 9.14; Sl 90.2).
Jesus disse que o outro Consolador ensinaria todas as coisas, e que faria lembrar de tudo (Jo 14.26; 15.26). Inicialmente as palavras de Jesus eram transmitidas oralmente, e, aos poucos, sob a orientação do Espírito Santo, tais palavras foram relembradas e assentadas por escrito, surgindo, assim, o Novo Testamento. Além do mais, muitas foram as verdades reveladas pelo Consolador. Dentre tantas podemos destacar: Deus não faz acepção de pessoas (judeus e gentios – At 10.34; Rm 2.11; Ef 6.9; Cl 3.25); os cristão não precisavam submeter-se à circuncisão (At 10.44,45; Rm 2.29; 3.30; 1Co 7.18,19; Gl 2.7,8; 5.6; 6.15; Cl 2.11; 3.11); nem guardar todas as observâncias da Lei de Moisés (Rm 3.20,21,27; 7.4; 8.2; 10.4; 1Co 9.9; Gl 2.16,19; 3.10,11). Antes a salvação, tanto de judeus quanto de gentios, viria pela fé em Jesus (Rm 1.43; 3.28; Ef 2.8,9; 1Ts 5.9; 2Tm 2.10; 1Pe 1.5,9).(12)


10. NEGAÇÃO DA DIVINDADE DE JESUS

ESPIRITISMO: “A dualidade de pessoas, assim como o estado secundário e subordinado de Jesus, com relação a Deus (Lc 9.48; Mc 9.36; Jo 8.42; 7.33; 10.16), ressalta, além disso, das passagens seguintes: Lc 22.28-30; Jo 8.38; Mc 9.6; Mt 25.31-34; 10.32,33; Lc 7.8,9; 9.26; Mt 10.23; 22.41-45; Lc 20.41-44) [Estudo sobre a Natureza do Cristo; item III; p.123].” (14)
“Jesus confirma essa interpretação e reconhece sua inferioridade em relação a Deus, em termos que não deixam equívoco possível: Jo 14.28; Mt 19.16,17; Jo 12.49,50; 7.16-18; 14.10,24; Mc 13.32; Jo 8.28,29,40; 6.38; 5.30,36 [Idem; p.125].” (14)
“(…) ressaltam evidentemente a dualidade e a desigualdade das pessoas (Jo 5.16,17,22-27,37,38; 8.16; 17.1-5,11-14,17-26; 10.17,18; Jo 11.41; 14.30,31; 15.10; Lc 23.46) [Idem; p.128].” (14)
“As palavras seguintes dão testemunho de uma certa fraqueza humana (…); testemunham, ao mesmo tempo, uma submissão: Mt 26.36-42; 27.46. [Idem; p.130].” (14)
“Tudo acusa, pois, nas palavras de Jesus, seja quando vivo, seja depois de sua morte, uma dualidade de pessoas perfeitamente distintas, assim como o profundo sentimento de sua inferioridade e de sua subordinação com relação ao ser supremo (Jo 20.17; Mt 28.18; Lc 24.48,49) [Idem; Item IV; p.133].” (14)

DEFESA DO EVANGELHO:Jesus é Deus:
a) foi percebido como Deus (Jo 5.18; 10.30-33);
b) possui os atributos da divindade: onipotência (Mt 28.18; Fp 3.21; Ap 1.8; 3.7); onipresença (Mt 18.20; 28.20; Jo 3.13; Ef 1.20-23); onisciência (Mt 9.3,4; Jo 2.24,25; 16.30; 21.17; Cl 2.2,3; Lc 19.41-44; Jo 6.64; 18.4); e eternidade (Is 9.6; Mq 5.2; Jo 1.1; 8.58; 17.5, 24; Ap 1.17,18; 22.13);
c) Jesus foi profetizado já como Deus Poderoso (Is 9.6);
d) Jesus, na terra, também, existiu em forma de Deus (Fp 2.5-7);
e) a Bíblia ensina que Jesus era Deus (Jo 1.1);
f) Conhecendo-se Jesus, conhece-se a Deus (Jo 8.19; 10.30);
g) Jesus foi chamado de Emanuel, que quer dizer Deus Conosco (Mt 1.23; Is 7.14);
h) Jesus foi reconhecido com Deus (Jo 20.28);
i) a doutrina dos apóstolos o tinha como Deus (Rm 9.5; 2Co 5.19; Tt 2.13; 2Pe 1.1; 1Jo 5.20; Jd 4);
j) era Deus em humildade (Fp 2.6);
k) a plenitude de Deus habita nele (Cl 2.9).
l) Comparação entre Javé (AT) e Jesus (NT):
i- Digno de adoração universal: Javé (Is 45.21,23) e Jesus (Fp 2.10 da TNMES);
ii- “Deus Poderoso” (El Gibor): Javé (Is 9.6) e Jesus (Is 10.21 da TNMES);
iii- “Eu Sou”: Javé (Ex 3.13,14) e Jesus (Jo 8.58);
iv- “Rocha”: Javé (Is 44.8; Dt 32.3,4) e Jesus (1Co 10.4);
v- “Senhor”: Javé (Is 45.5,6) e Jesus (Fp 2.11);
vi- “Paz”: Javé (Jz 6.24) e Jesus (Ef 2.14);
vii- “Pastor”: Javé (Sl 23.1; Is 40.11; Ez 34. 11,12) e Jesus (Hb 13.20; 1Pe 5.4; Lc 19.10);
viii- nossa “Bandeira”: Javé (Ex 17.15) e Jesus (Jo 3.14);
ix- “Senhor dos senhores”: Javé (Dt 10.17) e Jesus (1Tm 6.15);
x- “único Salvador”: Javé (Is 43.11) e Jesus (At 4.12; Ap 17.14; 19.16);
xi- “Santo”: Javé (Lv 19.2; Is 8.13) e Jesus (At 4.27; 1Pe 3.15);
xii- “Verdadeiro”: Javé (Jr 10.10) e Jesus (At 3.14);
xiii- “Justo”: Javé (Sl 7.9) e Jesus (At 3.14);
xiv- a “Vida”: Javé (Dt 30.20) e Jesus (Jo 14.6);
xv- “Sábio”: Javé (Jr 32.19) e Jesus (1Co 1.24);
xvi- “o Primeiro e o Último”: Javé (Is 44.6; 48.12) e Jesus (Ap 1.17; 22.13);
xvii- “Pedra de Tropeço”: Javé (Is 8.13-15) e Jesus (Rm 9.33);
xviii- “Perdoador”: Javé (Sl 103.3; Is 43.25; Jr 31.34) e Jesus (Mt 9.5,6; Mc 2.5-7; At 5.31);
xix- “virá com os Santos”: Javé (Zc 14.5) e Jesus (1Ts 3.13);
xx- “Jeová” (v. TNMES): Javé (Is 40.3) e Jesus (Mt 3.3; Lc 1.76);
xxi- “Rei da Glória”: Javé (Sl 24.8,10) e Jesus (1Co 2.8; Tg 2.1);
xxii- “acima de tudo”: Javé (Sl 97.9) e Jesus (Jo 3.31);
xxiii- a “Salvação”: Javé (Jl 2.32) e Jesus (1Co 1.2);
xxiv- o “Juiz”: Javé (Ec 12.14) e Jesus (2Co 5.10; 2Tm 4.1);
xxv- “Luz”: Javé (Is 60.19) e Jesus (Jo 8.12);
xxvi- “Glória” divina: Javé (Is 42.8) e Jesus (Jo 17.5);
xxvii- Único Criador: Javé (Is 44.24) e Jesus (Jo 1.3);
xxviii- dará a “recompensa”: Javé (Is 40.10) e Jesus (Ap 22.12);
xxix- fez a “terra e o céu”: Javé (Sl 102.25,26) e Jesus (Hb 1.10);
xxx- “levou cativos”: Javé (Sl 68.18) e Jesus (Ef 4.7,8);
xxxi- “Bom”: Javé (Sl 34.8) e Jesus (1Pe 2.3);
xxxii- “traspassado”: Javé (Zc 12.10) e Jesus (Jo 19.37);


11. JESUS ERA MÉDIUM DE DEUS

ESPIRITISMO: “Como homem, tinha a organização dos seres carnais; mas como Espírito puro, desligado da matéria, deveria viver a vida espiritual mais do que a vida corpórea, da qual não tinha as fraquezas.” “(…); segundo a definição dada por um Espírito, ele era médium de Deus [Cap. XV – Os Milagre do Evangelho; §2; pp. 270,271].” (4)

DEFESA DO EVANGELHO: Jesus não pode ser rebaixado a um simples médium de Deus ou a um mero espírito puro ou superior, estágio que, pelo espiritismo, pode ser alcançado por qualquer pessoa, transformando Cristo somente num modelo, e Jesus é muito mais do que isso (Jo 1.1; Fp 2.5-7; Cl 2.9; 2Pe 1.1).
Segundo a doutrina espírita, médium é toda pessoa que sente, em um grau qualquer, a influência dos espíritos [O Livro dos Médiuns; Cap. XIV; §159]. Jesus é apresentado na Bíblia como profeta, sacerdote e rei, e nunca como médium (At 3.19-24; Hb 7.26,27; Fp 2.9-11).(1)


12. MILAGRES DE JESUS ERAM FENÔMENOS PSÍQUICOS

ESPIRITISMO: “Os fatos narrados no Evangelho e que foram até aqui considerados como miraculosos, pertencem, na maioria à ordem dos fenômenos psíquicos. Hoje eles se produzem sob os nossos olhos, por assim dizer, à vontade, e por indivíduos que nada têm de excepcional [Cap. XV – Os Milagres do Evangelho; §1; p.269].” (4)
“SONHOS (Mt 2.19-23) – É neste momento [sono], freqüentemente, que os Espíritos protetores escolhem para se manifestarem aos seus protegidos e dar-lhes conselhos mais diretos [Idem; §3; p.271].” (4)
“ESTRELA DOS MAGOS (Mt 2.1-12) – Um Espírito pode aparecer sob uma forma luminosa, ou transformar uma parte do seu fluido perispiritual em um ponto luminoso [Idem; §4; p.272].” (4)
“CURAS (Mc 5.25-34) – A irradiação fluídica bastou para operar a cura [Idem; §11; p.276].” (4) “(Mc 8.22-26) – O efeito magnético está evidente; a cura não foi instantânea, mas gradual [Idem; §13; 273].” (4)
“RESSURREIÇÕES (Mc 5.21-43; Lc 7.11-17) – “Há toda a probabilidade de que não havia senão síncope ou letargia”. (…) sabe-se que há letargias que duram oito dias e mais. (…) entre certos indivíduos, há decomposição parcial do corpo, mesmo antes da morte, e que exalam um odor de podridão [Idem; §§39,40; pp.292/293].” (4)

DEFESA DO EVANGELHO: Os milagre na Bíblia foram realizados pelo poder de Deus (Ex 8.19; At 14.3; 15.12; 19.11); pelo poder de Jesus (Mt 10.1; Mc 16.17); pelo poder do Espírito Santo (Mt 12.28; Rm 15.19). Quem realizava os milagres afirmava não ter qualquer poder para tal prodígio (At 3.12,16).
Os milagre eram para que os homens pudessem conhecer o poder do Senhor (Jo 3.2). Eles manifestavam a glória de Deus (Jo 11.4), a glória de Cristo (Jo 2.11; 11.4) e as obras de Deus (Jo 9.3). Jesus provou ser o Messias por meio deles (Mt 11.4-6; Lc 7.20-22: Jo 5.36) e os realizava porque Deus era com Ele (At 2.22; 10.38), e não por fenômenos psíquicos. (10)
Na ressurreição de Lázaro, Jesus afirmou claramente que ele estava morto (Jo 11.14), e não que havia sofrido um ataque de letargia (morte aparente).
Os milagres que Allan Kardec não conseguiu “explicar”, como a transformação da água em vinho (Jo 2.9) e as multiplicações de pães (Mt 14.17-21; 15.34-38), por exemplo, ele cita apenas como sendo mais uma das parábolas de Jesus. Semelhantemente ele age com a tentação de Jesus pelo diabo (Mt 4.1-11; Mc 1.12,13; Lc 4.1-13) [A Gênese; Cap. XV; §§47,48,52], numa fuga desesperada por não haver nada na doutrina espírita que os expliquem. Sem “explicacão” também ficaram: a tempestade acalmada (Mt 8.26), o milagre da moeda do tributo (Mt 17.24) e a maldição contra a figueira (Mt 21.19).


13. A MORTE DE CRISTO NÃO SERVE PARA EXPIAR PECADOS

ESPIRITISMO: “Arrependimento, expiação e reparação são as três condições necessárias para apagar os traços de uma falta e suas conseqüências.(…)
A expiação consiste nos sofrimentos físicos e morais, que são a conseqüência da falta cometida, seja desde a vida presente, seja, depois da morte, na vida espiritual, seja em nova existência corporal, até que os traços da falta tenham se apagado [1ª Parte–Doutrina; Cap. VII–As Penas Futuras Segundo o Espiritismo; Código Penal da Vida Futura; §§16º,17º; p. 81,82].” (4)

DEFESA DO EVANGELHO: A remissão dos pecados foi realizada por intermédio do sacrifício de Cristo na cruz (Jo 1.29; Rm 3.23-26; Ef 1.7; 1Jo 1.7; Ap 1.5). A expiação das faltas cometidas é efetuada exclusivamente por Jesus (Jo 1.29,36; At 4.11,12; 1Ts 1.10; 1Tm 2.5,6; 1 Pe 2.24; Mt 1.21; Lc 1.77; 24.47; Jo 1.29; 8.24; At 2.38; 3.19; 5.31; 10.43; 22.16; 1Co 15.17; Cl 1.14; 1Pe 3.18), para exibir a graça e a misericórdia de Deus (Rm 8.32; Ef 2.4,5,7; 1Tm 2.4; Hb 2.9) e o seu amor pela humanidade (Jo 3.16; Rm 5.8; 1Jo 4.9,10). A expiação feita voluntariamente por Cristo (Hb 10.5-9; Jo 10.11,15,17,18) demonstra, também, o seu grande amor (Jo 15.13; Gl 2.20; Ef 5.2,25; Ap 1.5). A fé na expiação dos pecados por Cristo é indispensável para a sua eficácia na vida de uma pessoa (Rm 3.25; Gl 3.14,15), o que irá complicar fatalmente a situação dos espíritas.(10)


14. JESUS NÃO RESSUSCITOU

ESPIRITISMO: “Observando-se as circunstâncias que acompanharam as suas diversas aparições, reconhece-se nele, nesses momentos, todos os caracteres de um ser fluídico. Ele apareceria inopinadamente e desapareceria do mesmo modo; foi visto por uns e não pelos outros sob aparências que não o fazem reconhecer, mesmo por seus discípulos; mostra-se em lugares fechados onde um corpo carnal não poderia penetrar (…). Jesus, portanto, mostrou-se com seu corpo perispiritual (…); eles viam Jesus e o tocavam, para eles deveria ser um corpo ressuscitado [Cap XV – Os Milagres do Evangelho; §61; p.61].” (10)

DEFESA DO EVANGELHO: A ressurreição de Cristo, no mesmo corpo (Lc 24.39), foi predita pelos profetas (Sl 16.10 com At 2.25-31 e 13.34,35); e pelo próprio Jesus (Mt 16.21; 20.19; 26.32) e assim, veio a se concretizar (Mt 28.6). A sua ressurreição foi efetuada pelo poder de Deus (At 2.24; 3.15; Rm 8.11; Ef 1.20; Cl 2.12), pelo seu próprio poder (Jo 2.12; 10.17,18) e pelo poder do Espírito Santo (1Pe 3.18). Era necessária para o perdão dos pecados (1Co 15.17), para a justificação (Rm 4.25; 8.34), para a eficácia da fé (1Co 15.14,17), para provar que Ele é o Filho de Deus (Sl 2.7 com At 13.33; Rm 1.4). A ressurreição de Cristo é um princípio básico do Evangelho (1Co 15.13,14) e a sua verdade central (At 2.23,24; 3.14,15; 4.33; 10.39-41; 17.2,3; Rm 1.4; Rm 10.9; 1Pe 1.3).
O corpo físico de Jesus não pode ter desaparecido com a finalidade de fomentar uma falsa ressurreição, tendo em vista que o seu túmulo permaneceu selado e vigiado por sentinelas o tempo inteiro (Mt 27.62-66). (10)


15. AS ESCRITURAS SÃO MACULADAS PELO ERRO

ESPIRITISMO: “Falta-lhes a chave para delas compreenderem o verdadeiro sentido. Essa chave está nas descobertas da ciência e nas leis do mundo invisível, que o Espiritismo vem nos revelar [2ª Parte – Previsões concernentes ao Espiritismo; p. 311].” (14)
“50. ‘(…) Adão não foi o primeiro, nem o único a povoar a Terra’.” (1)
Toda revelação maculada pelo erro ou sujeita a mudanças não pode emanar de Deus. Assim é que a lei do Decálogo tem todos os caracteres de sua origem, ao passo que as outras leis mosaicas, essencialmente transitórias, freqüentemente em contradição com a lei do Sinai, são a obra pessoal e política do legislador hebreu [Cap. I – Caracteres da Revelação Espírita; §10; p.17/18].” (4)
“Todos os escritos posteriores [aos Evangelhos], sem disso excetuar os de São Paulo, não são, e não podem ser, senão comentários ou apreciações, reflexo de opiniões pessoais, freqüentemente contraditórias, que não poderiam, em nenhum caso, ter a autoridade do relato daqueles que receberam as instruções diretamente do Mestre [Estudo sobre a natureza do Cristo; Item I; p.117]” (14)

DEFESA DO EVANGELHO: A Bíblia é divinamente inspirada (Jr 36.2; Ez 1.3; At 1.16; 2Tm 3.16; 2Pe 1.21; Ap 14.13). (10)
Toda a lei de Moisés (o Pentateuco) e os livros dos profetas são repletos da expressão Assim diz o SENHOR (ocorre 403 vezes), demonstrando, também, a autoria divina dos ensinamentos (confira algumas ocorrências em Ex 4.22; Js 24.2; Jz 6.8; 2Sm 24.12; 2Rs 19.32; 2Cr 11.4; Is 44.6; Jr 9.23; Ez 17.19; Zc 1.3; Ml 1.4). Assim como o Decálogo foi ditado pelo próprio Deus (Ex 20.1), o restante da lei de Moisés também foi (Ex 20.22; 24.4; 25.1; 30.11,17,22,34; 31.1,12; 34.10; 40.1; Lv 1.1; 4.1; 5.14; 6.1,8,19,24; 7.22,28; 8.1; 11.1; 12.1; 13.1; 14.1,33; 15.1; 16.1; 17.1; 18.1; 19.1,31; 20.1; 21.1; 22.1; 23.1; 24.1; 25.1; 27.1; Nm 3.40; 4.1; 5.1; 6.1; 8.1,5; 9.1; 10.1; 15.1, 37; 18.1; 19.1; 27.6; 28.1). Por isso tudo, são absolutamente dignos de confiança (1Rs 8.56; Sl 111.7; Ez 12.25; Mt 5.18) e ignorá-las é um perigo (Mt 22.29; Jo 20.9; At 13.27).
A Bíblia é descrita como pura (Sl 19.8); espiritual (Rm 7.14); santa, justa e boa (Rm 7.12); ilimitada (Sl 119.96); perfeita (Sl 19.7; Rm 12.2); verdadeira (Sl 119.142). (10)
Os escritores do Antigo Testamento estavam conscientes de que o que disseram ao povo e escreveram é a Palavra de Deus (Dt 18.18; 2Sm 23.2). E Jesus falou da revelação divina, na época, futura, o restante do Novo Testamento, através dos apóstolos (Jo 16.13).
Jesus também sempre citou passagens do Antigo Testamento (AT) para subsidiar os seus ensinamentos:
Ele citou Is 29.13 em Mt 15.7-9 e Mc 7.6,7;
Ele citou Moisés, profetas e Sl em Lc 24.44;
Ele citou Sl 35.19; 69.4 em Jo 15.25;
Ele citou Dt 6.16 em Mt 4.7 e Lc 4.12;
Ele citou Is 40.3; Ml 3.1 em Mt 10.10 e Lc 7.27;
Ele citou Is 6.9,10 em Mt 13.14,15;
Ele citou Gn 2.24 em Mt 19.4,5;
Ele citou Sl 118.22,23; Is 28.16 em Mt 21.42; Mc 12.10 e Lc 20.17;
Ele citou Sl 118.26 em Mt 23.39;
Ele citou Zc 11.12; Jr 19.1-13 em Mt 27.9;
Ele citou Is 56.7; Jr 7.11; 32.6-9 em Mc 11.17 e Lc 19.46;
Ele citou Sl 41.9 em Jo 13.18; e
Ele citou Moisés e profetas em Lc 24.27;
Ele citou Sl 82.6 em Jo 10.34,35;
Ele citou Dt 8.3 em Mt 4.4; Lc 4.4;
Ele citou Os 6.6 em Mt 9.13; 12.7;
Ele citou Is 42.1-4 em Mt 12.17-21;
Ele citou Sl 78.2 em Mt 13.35;
Ele citou Sl 8.2 em Mt 21.16;
Ele citou Sl 110.1 em Mt 22.43,44; Mc 12.36 e Lc 20.42,43;
Ele citou Zc 13.7 em Mt 26.31;
Ele citou Is 49.8,9 em Lc 4.17-19;
Ele citou Ex 16.4,15; Ne 9.15; Sl 78.24 em Jo 6.31.


16. CAUSAS ANTERIORES DAS AFLIÇÕES

ESPIRITISMO:“Por virtude do axioma, segundo o qual todo efeito tem uma causa, tais misérias são efeitos que hão de ter uma causa e, desde que se admita um Deus justo, essa causa também há de ser justa. Ora, ao efeito precedendo a causa, se esta não encontra na vida atual, há de ser anterior a essa vida, isto é, há de estar numa existência precedente [Cap.V – Bem-aventurados os Aflitos; §6; p.101].” (3)

DEFESA DO EVANGELHO: São diversas as razões por que a humanidade sofre, mas nada referente a vidas anteriores. É ensinado que sofreríamos por causa do nome de Jesus (Mt 24.9; Jo 15.21; 2Tm 3.12); devido aos ataques do diabo (!Pe 5.8,9; Lc 13.11,16); como prova e aperfeiçoamento da nossa fé (1Pe 1.7); para que possamos melhor consolar os outros (2Co 1.4); ou como conseqüência dos nossos próprios atos (Gl 6.7). Mas, em nada disso como efeito de pecados em vidas anteriores. Jesus demonstrou que essa doutrina não tem fundamento quando curou um cego de nascença e afirmou aos seus discípulos que nem ele, nem os seus pais haviam pecado (Jo 9.2,3). (8)


17. SATANÁS NÃO É UM SER REAL

ESPIRITISMO: “Satã, segundo o Espiritismo e a opinião de muitos filósofos cristãos, não é um ser real; é a personificação do mal, como outrora Saturno era a personificação do tempo. A Igreja prende à letra essa figura alegórica [Cap. I – Pequena conferência espírita; Terceiro diálogo – O padre; p. 98].” (3)

DEFESA DO EVANGELHO: A Bíblia inteira relata Satanás como um ser real, com características reais. Vejamos o seu caráter: a) presunçoso (Jó 1.6; Mt 4.5,6); b) orgulhoso (1Tm 3.6); c) poderoso (Ef 2.2; 6.12); d) perverso (1Jo 2.13); e) maligno (Jó 1.9; 2.4; Mt 13.19; 2Co 6.15); f) sutil (Gn 3.1 com 2Co 11.3); g) enganador (2Co 11.14; Ef 6.11); h) feroz e cruel (1Pe 5.8); i) covarde (Tg 4.7); j) mentiroso (Jo 8.44); l) acusador (Ap 12.10); m) tem inteligência (2Co 11.3). Além disso, Deus não iria conversar com o que não existe (Jó 1.6-8,12) e Jesus não foi tentado por algo irreal (Mt 4.3-11).


18. O CÉU E O INFERNO SÃO SIMPLES ALEGORIAS


ESPIRITISMO: “1012. (…) o inferno e o paraíso não existem, tais como o homem os imagina? ‘São simples alegorias: por toda parte há Espíritos ditosos e inditosos’.”
“1014. (…) ‘Inferno se pode traduzir por uma vida de provações, extremamente dolorosa, com a incerteza de haver outra melhor; purgatório, por uma vida também de provações, mas com a consciência de melhor futuro. Tudo isso são apenas palavras e sempre ditas em sentido figurado’.”
“1016. Em que sentido se deve entender a palavra céu? ‘(…); é o espaço universal; são os planetas, as estrelas e todos os mundos superiores, onde os Espíritos gozam plenamente de suas faculdade, sem as tribulações da vida material, nem as angústias peculiares à inferioridade’.” (1)

DEFESA DO EVANGELHO: A Bíblia ensina que o Céu é a habitação de Deus (At 7.56) e a morada final dos santos (2Co 5.1; Fp 3.20), dos que crerem em Jesus arrependendo-se dos seus pecados (Jo 3.18; Lc 23.43). O inferno nada tem a ver com a vida na Terra: é descrito como sendo um lugar de castigo eterno (Mt 25.46) preparado para o diabo e seus anjos (Mt 25.41; 2Pe 2.4), onde haverá choro e ranger de dentes (Mt 13.42); e com uma variedade de termos: “trevas exteriores”, ”a ressurreição do julgamento”, “a negra escuridão”, “o castigo de eterno fogo”, “castigo eterno”, entre outros (Mt 3.7-12; 8.12; 22.13; 25.46; Mc 9.43,48; Jo 5.29; Ap 19.20; 20.10-15).
Jesus Cristo não deixou dúvidas quanto à existência do inferno. São 15 as referências que ele fez ao lugar de tormento eterno. Nelas não há nenhuma alegoria. As expressões são claras (Mt 5.22,29,30; 10.28; 11.23; 23.15,33).
No Antigo Testamento existem 10 referências sobre o inferno, e o certo é que os escritores bíblicos anteriores ao tempo de Jesus referiram-se a esse lugar como local de punição eterna (Sl 9.17). Depois de Jesus, Tiago (3.6), Pedro (2Pe 2.4) e João referiram-se ao inferno, sendo que João usou também um sinônimo: Lago de logo (Ap 19.20; 20,10,14,15).(26)


19. CONDENAÇÃO ETERNA NÃO EXISTE



ESPIRITISMO: “Se Deus, tocado pelo arrependimento de um condenado, pode estender sobre ele a sua misericórdia e retirá-lo do inferno, não há mais penas eternas, e o julgamento pronunciado pelos homens está revogado. (…) Se Deus é perfeito, a condenação eterna não existe; se ela existe, Deus não é perfeito [Cap. VI–Doutrina das Penas Eternas; §§14,15; p.67].” (11)
“O espiritismo não nega, antes confirma a penalidade futura. O que ele destrói é o inferno com suas fornalhas e penas irremessíveis [p.65]”. (11)

DEFESA DO EVANGELHO:Os profetas, Jesus e os seus discípulos foram claros quando se referiram às penas eternas para aqueles pecadores que não ouviram os ensinamentos registrados na Bíblia, não se arrependendo dos seus atos, enquanto nesta vida (Mt 3.12; 18.8; 25.41; Mc 3.29; 9.43,44; 2Ts 1.9; Jd 6,7,13; Ap 14.11; 20.10; Sl 52.5; 92.7; Is 33.14). (8)


20. ANJOS FORAM HOMENS E DEMÔNIOS MELHORARÃO



ESPIRITISMO: “Os anjos são as almas dos homens que chegaram ao grau de perfeição que a criatura comporta, gozando da plenitude da felicidade prometida [1ª Parte; Cap. VIII – Os Anjos; §13; p.99].” (11)
Os demônios “são Espíritos imperfeitos, mas que se melhorarão; estão ainda na base da escala e subirão [Idem; Cap. IX; §21; p.116].” (11)

DEFESA DO EVANGELHO: Os anjos jamis foram homens. Os anjos são mensageiros ou servidores celestiais de Deus (Hb 1.13,14), criados por Deus antes de existir a Terra (Jó 38.4-7; Sl 148.2,5; Cl 1.16).
Os demônios eram anjos que, tendo livre arbítrio, participaram da rebelião de Satanás (Ez 28.12-17; 2Pe 2.4; Jd 6; Ap 12.9) e abandonaram o seu estado original de graça como servos de Deus, e assim perderam o direito à sua posição celestial, estando, já, condenados ao inferno (Mt 8.29; 25.41), portanto, sem nenhuma perspectiva de melhoria. (8)


21. DEUS É O MESMO EM TODAS AS RELIGIÕES

ESPIRITISMO: “1. Que é Deus? ‘Deus é a inteligência suprema, causa primária de todas as coisas’.” (1) “É a essa causa que se chama Deus, Jeová, Alá, Brama, Fo-hi, Grande Espírito, etc., segundo as línguas, os tempos e os lugares [Profissão de Fé Espírita Racionada; I.Deus; §1; p.29].” (14)

DEFESA DO EVANGELHO: Embora afirmem que Deus é único, também dizem que Ele é o mesmo Deus adorado, entre outras religiões, pelo islamismo (Alá), onde Jesus é mais um entre milhares de profetas e a salvação vem pelas boas obras; que é o mesmo Deus adorado no hinduismo (Brama), onde tudo é deus (panteísmo) e todos somos partes de deus, a morte de Jesus não expia pecados e a salvação é a libertação do ciclo de reencarnações recebida através de ioga e meditação.(18)
Deus é único (Dt 6.4; Is 45.5,18; 1Tm 1.17; Jd 25)(15) e imutável (Sl 102.27; Ml 3.6; Hb 1.12; Tg 1.17).(10) Não iria se manifestar de maneiras tão diferentes com tamanha diversificação de doutrinas.


22. PRECE PELOS MORTOS E PELOS ESPÍRITOS SOFREDORES

ESPIRITISMO: “Podemos orar por nós mesmos ou por outrem, pelos vivos ou pelos mortos [Cap. XXVII – Pedi e Obtereis; §9; p. 373].” (3) “Os Espíritos sofredores reclamam preces e estas lhe são proveitosas, porque, verificando que há quem neles pense, menos abandonados se sentem, menos infelizes [Idem; §18; p.378].” (3)

DEFESA DO EVANGELHO: A Palavra da Verdade ensina que nada do que façamos aqui na Terra servirá para mudar o destino de quem já morreu (Ec 9.5,6) e depois da morte segue-se o juízo (Hb 9.27). Não há como mudar a situação de um espírito em estado de sofrimento (Lc 16.19-31).(8)


23. PLURALIDADE DOS MUNDOS HABITADOS

ESPIRITISMO: “55. (…). ‘Deus povoou de seres vivos os mundos, concorrendo todos esses seres para o objetivo final da Providência. Acreditar que só os haja no planeta que habitamos fora duvidar da sabedoria de Deus, que não fez coisa alguma inútil’.” (1)
“A casa do Pai é o Universo (Jo 14.1-3). As diferentes moradas são os mundos que circulam no espaço infinito e oferecem aos Espíritos que neles encarnam, moradas correspondentes ao adiantamento dos mesmos Espíritos [Cap.III – Há Muitas Moradas na Casa de meu Pai; §2; p.71] (3)

DEFESA DO EVANGELHO: Apesar de a Bíblia não ensinar qua há vida em outros mundos além da Terra, os espíritas usam os versículos Jo 10.16, onde Jesus fala que tem outras ovelhas que não são deste aprisco, e Jo 14.2, onde Ele ensina que na casa do Pai há muitas moradas, para embasarem sua doutrina. Só que, no primeiro, Jesus contrastava judeus com gentios, e não a Terra com outros mundos (Ef 2.14-17; At 10.15,28);(5) e no segundo estava se referindo à morada celestial (a salvação) para onde Ele precisava ir a fim de nos preparar lugar (Mt 6.9; Sl 33.13,14; Is 63.15).(8)
As formas de vida fora da Terra, que pretende o espiritismo, são conhecidas biblicamente como espíritos de mentira (1Rs 22.22) e espíritos enganadores (1Tm 4.1). Esses espíritos podem se manifestar de maneira sutil (2Co 11.14).(18)


24. A EVOLUÇÃO

ESPIRITISMO: “(…) é necessário explicar e comentar [a Gênese bíblica] com as luzes da razão e da ciência. Fazendo em tudo ressaltar as belezas poéticas, e as instruções veladas, sob a forma figurada, é preciso demonstrar-lhe com firmeza os erros, no interesse mesmo da religião [Cap XII – Gênese Mosaica; §12; p.214].” (4)
“(…) o princípio da geração espontânea não pode evidentemente se aplicar senão aos seres de ordem mais inferiores, àqueles onde começa a manifestação da vida, e cujo organismo, extremamente simples de alguma sorte, é rudimentar. Efetivamente, foram os primeiros que apareceram sobre a Terra, e cuja geração deve ter sido espontânea [Cap X – Gênese Orgânica; §21, p.174].” (4)
“Está bem reconhecido hoje que a palavra hadadam não é um nome próprio, mas que significa o homem em geral, a Humanidade, o que destrói todo o alicerce construído sobre a personalidade de Adão [Cap XII – Gênese Mosaica; §16; p.218; nota de rodapé (1)].” (4)

DEFESA DO EVANGELHO: A Bíblia ensina claramente a doutrina de uma criação especial, ou seja, que Deus criou cada criatura conforme a sua espécie (Gn 1.24). Isto quer dizer que cada criatura, seja homem ou animal, foi criada como a conhecemos hoje. (15)
A Bíblia, portanto, apresenta a origem da vida e do homem como sendo um resultado da direta ação de Deus através do poder de Sua palavra. Isto é aceito pelo criacionista através de um ato de fé. Vide textos (Hebreus 1:10 e 11:3, Neemias 9:6 e Romanos 1:19, 21 e 22).
O argumento bíblico, a partir do primeiro capítulo de Gênesis, é que a raça humana descende de um só casal (Gn 1.28), criado por Deus no princípio. (15) Tanto o homem quanto a mulher foram uma criação especial de Deus, não um produto da evolução (Mt 19.4; Mc 10.6). Toda vida humana provém inicialmente de Adão e Eva (Gn 3.20; At 17.26; Rm 5.12).(8)
O homem foi criado por Deus, e não produto de uma evolução a partir de organismos rudimentares que se geraram espontaneamente (Gn 1.26,27; 2.7). (15)


25. NEGAÇÃO DO PECADO ORIGINAL



ESPIRITISMO: “Hoje, sabemos que essa falta não foi um ato isolado, pessoal a um indivíduo, mas que ela compreende, sob um fato alegórico único, o conjunto das prevaricações das quais pôde se tornar culpada a Humanidade ainda imperfeita na Terra, e que se resumem nestas palavras: ‘infração às leis de Deus’ [Cap. XII – Gênese Mosaica; §20; p.221].” (4)

DEFESA DO EVANGELHO: As Escrituras ensinam que Adão deu origem à lei do pecado e da morte sobre a totalidade da raça humana (Gn 5.12; 8.2; 1Co 15.21,22). Através da transgressão e queda de Adão, o pecado como princípio ou poder ativo conseguiu penetrar na raça humana (Rm 5.12,17,19; Gn 3.1). Adão transmitiu o pecado ao gênero humano, corrompendo todas as pessoas nascidas a partir de então. Todos os seres humanos passaram a nascer propensos ao pecado e ao mal (Rm 5.19; 1.21; 7.24; Gn 6.5,12; 8.21; Sl 14.1-3; Jr 17.9; Mc 7.21,22; 1Co 2.14; Gl 5.19-21; Ef 2.1-3; Cl 1.21; 1Jo 5.19).
A Bíblia não diz que toda a humanidade estava presente em Adão e que assim ela participou do seu pecado e por isso herda a culpa. A morte entrou no mundo através do pecado e por isso todos estão sujeitos à morte, por isso que todos pecaram (Rm 5.12,14; 3.23; Gn 2.17; 3.19). (8)



III - OUTRAS CARACTERÍSTICAS

1. AS CONTRADIÇÕES

a) Na questão 21 d’O Livro dos Espíritos Allan Kardec pergunta espírito: “A matéria existe desde toda a eternidade, como Deus, ou foi criada por ele em dado momento?” O espírito responde: ´Só Deus o sabe.” A contradição vem na questão 37: “O Universo foi criado, ou existe de toda a eternidade, como Deus?” com a resposta do espírito: “É fora de dúvida que ele não pode ter-se feito a si mesmo. Se existisse, como Deus , de toda a eternidade, não seria obra de Deus.” Em que devo crer? Quando disseram que ninguém, a não ser Deus, pode saber se a matéria é eterna, ou, dogmaticamente, que ela não é eterna? (5)

b) Na questão 101, a respeito da terceira ordem de espírito, os imperfeitos, é declarado: “Nem todos são essencialmente maus.” Ora, isso quer dizer que alguns são essencialmente maus. Logo, em sua origem, não foram iguais. Não é o que diz a resposta da questão 121: “Não têm eles o livre-arbítrio? Deus não os criou maus; criou-os simples e ignorantes, isto é, tendo tanta aptidão para o bem quanta para o mal.” E, também, o rodapé da questão 127: “o Espírito, ao formar-se, não é nem bom, nem mau; tem todas as tendências e toma uma ou outra direção, por efeito do seu livre-arbítrio.” (5)

c) Questão 118: “Podem os Espíritos degenerar?” Resposta: “Não.” Ora, se os espíritos foram criados simples e ignorantes (ver a resposta da questão 121, no item b), e alguns escolheram o mal, não degeneraram de fato? (5)

d) Na questão 326 pergunta-se: “Comovem a alma que volta à vida espiritual as honras que lhe prestem aos despojos mortais?” Resposta: “Quando já ascendeu a certo grau de perfeição, o Espírito se acha escoimado de vaidades terrenas e compreende a futilidade de todas essas coisas”. Todavia, nas questões 320 e 321, afirma: “Sensibiliza os Espíritos o lembrarem-se deles os que lhes foram caros na Terra?” Resposta: “Muito mais do que podeis supor”. Questão 321: “O dia da comemoração dos mortos é, para os Espíritos, mais solene do que os outros dias? Apraz-lhe ir ao encontro dos que vão orar nos cemitérios sobre seus túmulos?” Responde o espírito: “Os Espíritos acodem nesse dia ao chamado dos que da Terra lhes dirigem seus pensamentos, como o fazem noutro dia qualquer.” Mas, então, os espíritos acham prazer nesas homenagens terrenas ou acham-nas uma futilidade? (5)

e) Na pergunta 515: “Que se há de pensar dessas pessoas que se ligam a certos indivíduos para levá-los à perdição, ou para guiá-los pelo bom caminho?”, a resposta: “Quando isso se dá no sentido do mal, são maus Espíritos, de que outros Espíritos também maus se servem para subjugá-las. Deus permite que tal coisa ocorra para vos experimentar.” Isso contradiz a resposta da pergunta 551: “Pode um homem mau, com o auxílio de um mau Espírito que lhe seja dedicado, fazer mal ao seu próximo?”,”Não; Deus não o permitiria.” Por amor à coerência, Deus permite ou não permite? (5)

f) Na questão 778, afirma-se: “o homem tem que progredir incessantemente e não pode volver ao estado de infância”. Porém, encontramos na questão 372: “Há, porém, casos em que a matéria oferece tal resistência que as manifestações anímicas ficam obstadas ou desnaturadas, como nos de idiotismo e de loucura”. E na questão 375: “só tendo o Espírito a seu serviço órgãos incompletos ou alterados, uma perturbação resultará de que ele, por si mesmo e no seu foro íntimo, tem perfeita consciência, mas cujo curso não lhe está nas mãos deter.” Ora, se a marcha do progresso é irresistível, incessante, e se ninguém pode lhe opor, como ocorre um bloqueio no progresso de algumas criaturas? (5)

g) A divindade de Jesus é negada: “As palavras seguintes dão testemunho de uma certa fraqueza humana (…); testemunham, ao mesmo tempo, uma submissão: Mt 26.36-42; 27.46. [Obras Póstumas; Estudo sobre a Natureza do Cristo; Item I; p.130]”. E, ainda, mais adiante: “Tudo acusa, pois, nas palavras de Jesus, seja quando vivo, seja depois de sua morte, uma dualidade de pessoas perfeitamente distintas, assim como o profundo sentimento de sua inferioridade e de sua subordinação com relação ao ser supremo (Jo 20.17; Mt 28.18; Lc 24.48,49) [Idem; Item IV; p.133]”. Mas na questão 1.009 afrima: “(…) culto harminioso do belo, do bem, idealizaods pelo arquétipo humano, pelo Homem-Deus, por Jesus Cristo.” (5)

h) Allan Kardec afirma que “generalidade e concordância nos ensinamentoss, tal é o caráter essencial da doutrina [espírita], a própria condição da sua existência; disso resulta que todo princípio que não recebeu a consagração do controle da generalidade, não pode ser considerado parte integrante dessa mesma doutrina, mas uma simples opinião isolada, da qual o Espiritismo não pode assumir a responsabilidade [Introdução do livro ‘A Gênese”, p.11]”. Porém, com a reencarnação, principal doutrina espírita, não há generalidade, nem há concordância entre os espíritos, como o próprio Allan Kardec afirma: “Talvez fosse aqui o caso de examinarmos por que os Espíritos não parecem todos de acordo sobre esta questão [O Livro dos Espíritos; Parte 2ª; Cap. V–Considerações sobre a Pluralidade das Existências; §222; p.144]. E reafirma em outra ocasião: “De todas as contradições que se notam nas comunidades dos Espíritos, uma das mais surpreendentes é a relativa à reencarnação [O Livro dos Médiuns; 2ª Parte; Cap. XXVII–Das Contradições e das mistificações; p.369].” (22)

i) Allan Kardec insiste em deixar bem claro o que se pode classificar como doutrina espírita: “Não será à opinião de um homem que se aliarão os outros, mas à voz unânime dos Espíritos; não será um homem, nem nós, nem qualquer outro que fundará a ortodoxia 0espírita; tampouco será um Espírito que se venha impor a quem quer que seja: será a universalidade dos Espíritos que se comunicam em toda a Terra, por ordem de Deus. Esse o caráter essencial da Doutrina Espírita; essa a sua força, a sua autoridade [O Evangelho Segundo o Espiritismo; Introdução; p.35]”. E depois confessa claramente que a principal doutrina espírita, não é na verdade espírita, mas dele próprio: “Não é somente porque veio dos Espíritos que nós e tantos outros nos fizemos adeptos da pluralidade das existências. É porque essa doutrina nos pareceu a mais lógica e porque só ela resolve questões até então insolúveis. Ainda quando fosse da autoria de um simples mortal, tê-la-íamos igualmente adotado e não houvéramos hesitado um segundo mais em renunciar às idéias que esposávamos [O Livro dos Espíritos; Parte 2ª; Cap V– Pluralidade das Existências; §222; p.152]. Afinal, para que serve o ensino tão apregoado dos espíritos n’O Livro dos Espíritos, com mais de mil perguntas formuladas por Allan Kardec e respondida pelos espíritos, se o própriop Kardec declara que rejeitaria a reencarnação, se não lhe parecesse racional? Afinal, prevalece a opinião dos Espíritos ou a opinião de um homem? (22)

j) Conforme a doutrina espírita, no livro A Gênese [Cap. XV; §2; p.270], Jesus era considerado um ”Espírito puro”, “um Espírito superior, não se pode impedir de reconhecer nele um daqueles de ordem mais elevada, e que está colocado, pelas virtudes, bem acima da Humanidade terrestre”. Por que, então, Jesus mentiria se passando por Deus? (Jo 3.13; 8.19; 10.30; Mt 18.18,20; Jo 3.31; 8.12; 8.58; 14.6); dizendo que veio morrer por nossos pecados? (Lc 24.47; Jo 8.24; Mt 1.21; Lc 1.77; Jo 1.29; At 10.43); afirmando que os que não crerem nele irão para o Inferno e os que crerem para o Céu? ( Seria Jesus, ainda assim, um espírito evoluído, como afirma o espiritismo?


2. PRETENSÃO DE UMA IDENTIFICAÇÃO DE KARDEC COM JESUS

Para os espíritas, Allan Kartdec é extremamente identificado com Jesus Cristo. Veja esta síntese recebida pelo médium Francisco Cândido Xavier, do espírito Emmanuel:
Jesus Cristo: "Eu não vim destruir a Lei."
Allan Kardec: "Também o Espiritismo diz: - não venho destruir a lei cristã, mas dar-lhe execução."
Jesus Cristo: "Há muitas moradas na casa de meu Pai."
Allan Kardec: "A casa do Pai é o Universo. As diferentes moradas são os mundos que circulam no espaço infinito e oferecem aos Espíritos, que neles reencarnam, moradas correspondentes ao adiantamento que lhes é proprio."
Jesus Cristo: "Amai-vos uns aos outros como eu vos amei."
Allan Kardec: "Fora da caridade não há salvação."
Jesus Cristo: "Não oculteis a candeia sob o alqueire."
Allan Kardec: "Para ser proveitosa, tem a fé que ser ativa; não deve entorpecer-se."
Jesus Cristo: "Buscai e achareis."
Allan Kardec: "Ajuda a ti mesmo que o Céu te ajudará."
Jesus Cristo: "Sede perfeitos como é perfeito vosso Pai Celestial."
Allan Kardec: "Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral e pelos esforços que emprega para domar suas inclinações infelizes."
Jesus Cristo: "Meu Pai trabalha até hoje e eu trabalho também."
Allan Kardec: "Se Deus houvesse isentado o homem do trabalho corpóreo, seus membros ter-se-iam atrofiado, e, se houvesse isentado do trabalho da inteligência, seu espírito teria permanecido na infância, no estado de instinto animal."
Jesus Cristo: "Muito se pedirá a quem muito recebeu."
Allan Kardec: "Aos espíritas muito será pedido, porque muito hão recebido."
Jesus Cristo: "Ninguém poderá ver o Reino de Deus se não nascer de novo."
Allan Kardec: "Nascer, viver, morrer, renascer ainda e progredir sempre, tal é a lei."
Jesus Cristo: "Conhecereis a verdade e a verdade vos fará livres."
Allan Kardec: "Fé inabalável só aquela que pode encarar a razão face a face."



IV - BIBLIOGRAFIA

(1) KARDEC, Allan; O Livro dos Espíritos; Federação Espírita Brasileira; 80ª edição; Rio de Janeiro, RJ; 1998.
(2) KARDEC, Allan; O Que é o Espiritismo; Instituto de Difusão Espírita; 38ª edição; Araras, SP; 1998.
(3) KARDEC, Allan; O Evangelho Segundo o Espiritismo; Federação Espírita Brasileira; 115ª edição; Rio de Janeiro, RJ; 1998.
(4) KARDEC, Allan; A Gênese; Instituto de Difusão Espírita; 13ª edição; Araras, SP; 1998.
(5) MOREIRA, Reginaldo Pires; Grandes Verdades Sobre o Espiritismo; JUERP; 1ª edição; Rio de Janeiro, RJ; 1997.
(6) Defesa da Fé nº 16, revista; novembro de 1999; ICP Editora; São Paulo, SP.
(7) Defesa da Fé nº 18, revista; janeiro de 2000; ICP Editora; São Paulo, SP.
(8) Bíblia de Estudo Pentecostal; CPAD; 7ª impressão;1998.
(9) Bíblia de Estudo Almeida; Sociedade Bíblica do Brasil; Barueri, SP; 1999.
(10) Bíblia Vida Nova; Edições Vida Nova S/R; São Paulo; 1992.
(11) KARDEC, Allan; O Céu e o Inferno; Instituto de Difusão Espírita; 21ª edição; Araras, SP; 2000.
(12) MATHER, George A. & NICHOLS, Larry A.; Dicionário de Religiões, Crenças e Ocultismo; Ed. Vida; São Paulo, SP; 2000.
(13) KARDEC, Allan; O Livro dos Médiuns; Instituto de Difusão Espírita; 52ª edição; Araras, SP; 2000.
(14) KARDEC, Allan; Obras Póstumas; Instituto de Difusão Espírita; 8ª edição; Araras, SP; 2000.
(15) OLIVEIRA, Raimundo Ferreira; Seitas e Heresias — um sinal dos tempos; CPAD; 21ª edição; Rio de Janeiro, RJ; 2000.
(16) ANKERBERG, John & WELDON, John; Os Fatos Sobre os Espíritos-Guias; Obra Missionária Chamada da Meia-Noite; 2ª edição; Porto Alegre, RS; 1999.
(17) ANKERBERG, John & WELDON, John; Os Fatos Sobre a Vida Após a Morte; Obra Missionária Chamada da Meia-Noite; Porto Alegre, RS; 1999.
(18) Bíblia Apologética; ICP Editora; São Paulo, SP; 2000.
(19) Bíblia de Referência Thompson; Ed. Vida; 9ª impressão; São Paulo; 1999.
(20) GEISLER, Norman & HOWE, Thomas; Manual Popular de Dúvidas, Enigmas e “Contradições” da Bíblia; Ed. Mundo Cristão; 5ª edição; São Paulo; 2000.
(21) GEISLER, Norman L. & RHODES, Ron; Resposta às Seitas; CPAD; 1ª edição; Rio de Janeiro, RJ; 2000.
(22) Defesa da Fé nº 10, revista; janeiro/fevereiro de 1999; ICP Editora; São Paulo, SP.
(23) Almanaque Abril 2001; Ed. Abril; 27ª edição; São Paulo, SP.
(24) Bíblia de Estudo de Genebra; Ed. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil; São Paulo, SP; 2000.
(25) RINALDI, Natanael & ROMEIRO, Paulo; Desmascarando as Seitas; CPAD; 6ª edição; Rio de Janeiro, RJ; 2000.
(26) COSTA, Jefferson Magno Costa; Porque Deus Condena o Espiritismo; CPAD; 7ª edição; Rio de Janeiro, RJ; 1997.

Publicado :http://www.arcanjomiguel.net

Fonte - http://www.saber.teo.br/ide/adventismo.html